quinta-feira, 5 de outubro de 2017

A caridade, alma da missão

Bento XVI, papa de 2005 a 2013 
Mensagem para o Dia Mundial das Missões 2006 (trad. © copyright Libreria Editrice Vaticana rev.)

A caridade, alma da missão
Se não for orientada pela caridade, isto é, se não brotar de um profundo ato de amor divino, a missão corre o risco de se reduzir a uma mera atividade filantrópica e social. Com efeito, o amor que Deus nutre por cada pessoa constitui o coração da experiência e do anúncio do Evangelho e, por sua vez, quantos o acolhem tornam-se suas testemunhas.

O amor de Deus, que dá vida ao mundo, é o amor que nos foi concedido em Jesus, Palavra de salvação, ícone perfeito da misericórdia do Pai celeste. Assim, a mensagem salvífica poderia ser oportunamente resumida com as palavras do evangelista João: «E o amor de Deus manifestou-se desta forma no meio de nós: Deus enviou ao mundo o seu Filho unigénito para que, por Ele, tivéssemos a vida» (1Jo 4,9). O mandamento de difundir o anúncio deste amor foi confiado por Jesus aos Apóstolos depois da sua ressurreição, e os Apóstolos, interiormente transformados no dia do Pentecostes pelo poder do Espírito Santo, começaram a dar testemunho do Senhor morto e ressuscitado. A partir de então, a Igreja continua esta mesma missão, que constitui para todos os fiéis um compromisso irrenunciável e permanente.

O caminho estreito

Uma coisa é o egossistema, outra coisa é o ecossistema;
Uma coisa é a estrutura, outra coisa é a complementaridade;
Uma coisa é parecer estar no topo, outra coisa é trabalhar de mãos dadas;
Uma coisa é a burocracia, outra coisa é a empatia;
Uma coisa é o poder, outra coisa é o serviço;
Uma coisa é a relação piramidal, outra coisa é a relação fraternal;
Uma coisa é a afirmação pelo ter, outra coisa é ser sem precisar de se afirmar;
Uma coisa é utilizar e descartar, outra coisa é humanizar;
Uma coisa é pensar que somos donos disto tudo, outra coisa é saber que somos parte da criação.

Na parte que te cabe viver, onde te queres situar?

É que o Mestre ensina-nos um caminho estreito e fraternal;
Um caminho de humildade e de serviço;
Um caminho de entrega e de despojamento;
Um caminho de acolhimento e simplicidade;
Um caminho de verdade e vida;
Um caminho de escuta e de silêncio.
Um caminho no Caminho que Ele é.

Um caminho, por uma porta estreita, mas que nos apresenta a grandeza e a largueza do Reino dos Céus. E este, não tem medida!

Na parte que te cabe viver, onde te queres situar?
Cristina Duarte

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Amar os inimigos - Santa Teresinha do Menino Jesus

«Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem» (Mt 5,43-44) 

Claro que no Carmelo não se encontram inimigos mas, enfim, há simpatias; sentimo-nos mais atraídas por esta irmã, enquanto aquela nos levaria até a fazer um desvio para não deparar com ela. Assim, sem mesmo o saber, ela torna-se objecto de perseguição. 

Pois bem, Jesus diz-me que é preciso amar essa irmã, rezar por ela, mesmo que a sua conduta me leve a crer que ela não gosta de mim: «Se amais os que vos amam, que agradecimento mereceis? Os pecadores também amam aqueles que os amam.»

E não basta amar, é preciso demonstrá-lo. Ficamos naturalmente felizes por dar um presente a um amigo, gostamos muito de fazer surpresas, mas a caridade não é isso, pois os pecadores também o fazem. 


Eis que Jesus continua a ensinar-me: «Dá a todo aquele que te pede, e a quem se apoderar do que é teu, não lho reclames». Dar a todas as que pedem é menos doce que oferecer-se a si mesma num movimento amoroso. Se é difícil dar a quem nos pede, ainda o é mais deixar alguém apoderar-se do que é nosso sem o reclamar. 

Oh minha Mãe, digo que é difícil, mas deveria antes dizer que parece ser difícil, pois o jugo do Senhor é leve e suave (Mt 11,30). Quando o aceitamos, sentimos logo a sua doçura e clamamos como o salmista: «Correrei pelo caminho dos Teus mandamentos, porque deste largas ao meu coração» (Sl 118,32). 

Não há como a caridade para dilatar o meu coração, oh Jesus. Desde que essa doce chama o consome, corro com alegria no caminho do Vosso mandamento novo (Jo 13,34).

in Manuscrito autobiográfico C, 15v°-16r°

domingo, 1 de outubro de 2017


Toma consciência da presença de Deus, 
que está sempre contigo. 
Procura ser parte ativa neste encontro: 
não por fazeres coisas 
mas porque, conscientemente, livremente... 
deixas que Deus tome conta de ti e te conduza nos seus caminhos.
Fala com Deus, 
mas sobretudo deixa que seja Ele a falar-te...
Falamos tanto de pobreza, mas nem sempre pensamos nos pobres de fé: há muitos. São todas as pessoas que precisam de um gesto humano, de um sorriso, de uma palavra verdadeira, de um testemunho através do qual sentir a proximidade de Jesus Cristo. Que a ninguém falte este sinal de amor e de ternura que nasce da fé.
— Papa Francisco, 25 de novembro de 2013
Santa%20terezinha

BOMJESUSCAMPOALEGRE: 26º DTC: PRESENÇA PROVOCATIVA DE JESUS... (cf. Pe....

BOMJESUSCAMPOALEGRE: 26º DTC: PRESENÇA PROVOCATIVA DE JESUS... (cf. Pe....: Os cobradores de impostos e as prostitutas entrarão antes de vós no Reino de Deus...  ( Mt 21,31)_ A frase acima é uma das mais cort...

A caridade, alma da missão

Bento XVI, papa de 2005 a 2013  Mensagem para o Dia Mundial das Missões 2006 (trad. © copyright Libreria Editrice Vaticana rev.) A carid...