quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

A Pós-Verdade na construção de campanhas políticas

A Pós-Verdade na construção de campanhas políticas: Isso, como diz o velho ditado russo, foi há muito tempo e, de qualquer modo, não é verdade.

O fenômeno Trump e alguns movimentos de extrema direita na Europa utilizam o que o The Economist chama…

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

BAUMAN


Os enxames, ao contrário das colunas em marcha, não exigem sargentos ou cabos; encontram infalivelmente seu caminho sem a interferência desagradável dos escalões superiores com suas ordens do dia. Ninguém lidera os enxames para os campos floridos; ninguém precisa manter os membros do enxame sobre controle, pregar para eles, tocá-los adiante pela força, com ameaça ou forçando-os no caminho. Quem quiser conservar um enxame de abelhas num curso desejável se dará melhor cuidando das flores no campo, não adestrando cada abelha.

Zygmunt Bauman: frases - Colunas Tortas

Zygmunt Bauman: frases - Colunas Tortas

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

QUE-SAUDADES-DA-BOA-E-VELHA-CORRUPCAO-DE-ANTIGAMENTE


DEIXAR IR -

Deixa ir o que te anoitece e te impede de ser dia.
Deixa ir o que não te constrói nem te aumenta.
Deixa ir o que te prende ao passado e te embacia os dias que estão a acontecer.
Deixa cair o que te afasta de quem não se afasta de ti.
Deixa cair a fotografia dos dias magoados.
Deixa cair as páginas que não contam histórias bonitas.
Deixa voar as penas que não te deixam ser asa.
Deixa voar o que fizeste e o que te fizeram.
Deixa voar o que devia ter sido dito e não foi.
Deixa desaparecer as rugas que envelhecem o teu coração.
Deixa desaparecer as linhas que te cosem ao que não interessa.
Deixa desaparecer o que não for verdade nem transparente.
Deixa fugir quem não for para ficar.
Deixa fugir o que ainda te arrasa por dentro apesar do tempo que já passou.
Deixa fugir o que não é teu.
Deixa ficar o que for ponte para o dia de amanhã.
Deixa ficar o cheiro dos dias bons.
Deixa ficar a calma que se instala depois da chuva.
Deixa sossegar.
Deixa acontecer.
Deixa que se faça dia outra vez.
Deixa ir.
Deixa abraçar.
Deixa-te ficar.
Deixa passar o tempo.
Deixa voar.
Deixa fugir.
Deixa cair.
Deixa viver.
AUTORA: MARTA ARRAIS

DOS DIREITOS E GARANTIAS DOS USUÁRIOS DA INTERNET

Art. 7o O acesso à internet é essencial ao exercício da cidadania, e ao usuário são assegurados os seguintes direitos:
I - inviolabilidade da intimidade e da vida privada, sua proteção e indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;
II - inviolabilidade e sigilo do fluxo de suas comunicações pela internet, salvo por ordem judicial, na forma da lei;
III - inviolabilidade e sigilo de suas comunicações privadas armazenadas, salvo por ordem judicial;
IV - não suspensão da conexão à internet, salvo por débito diretamente decorrente de sua utilização;
V - manutenção da qualidade contratada da conexão à internet;
VI - informações claras e completas constantes dos contratos de prestação de serviços, com detalhamento sobre o regime de proteção aos registros de conexão e aos registros de acesso a aplicações de internet, bem como sobre práticas de gerenciamento da rede que possam afetar sua qualidade;
VII - não fornecimento a terceiros de seus dados pessoais, inclusive registros de conexão, e de acesso a aplicações de internet, salvo mediante consentimento livre, expresso e informado ou nas hipóteses previstas em lei;
VIII - informações claras e completas sobre coleta, uso, armazenamento, tratamento e proteção de seus dados pessoais, que somente poderão ser utilizados para finalidades que:
a) justifiquem sua coleta;
b) não sejam vedadas pela legislação; e
c) estejam especificadas nos contratos de prestação de serviços ou em termos de uso de aplicações de internet;
IX - consentimento expresso sobre coleta, uso, armazenamento e tratamento de dados pessoais, que deverá ocorrer de forma destacada das demais cláusulas contratuais;
X - exclusão definitiva dos dados pessoais que tiver fornecido a determinada aplicação de internet, a seu requerimento, ao término da relação entre as partes, ressalvadas as hipóteses de guarda obrigatória de registros previstas nesta Lei;
XI - publicidade e clareza de eventuais políticas de uso dos provedores de conexão à internet e de aplicações de internet;
XII - acessibilidade, consideradas as características físico-motoras, perceptivas, sensoriais, intelectuais e mentais do usuário, nos termos da lei; e
XIII - aplicação das normas de proteção e defesa do consumidor nas relações de consumo realizadas na internet.
Art. 8o  A garantia do direito à privacidade e à liberdade de expressão nas comunicações é condição para o pleno exercício do direito de acesso à internet.
Parágrafo único. São nulas de pleno direito as cláusulas contratuais que violem o disposto no caput, tais como aquelas que:
I - impliquem ofensa à inviolabilidade e ao sigilo das comunicações privadas, pela internet; ou
II - em contrato de adesão, não ofereçam como alternativa ao contratante a adoção do foro brasileiro para solução de controvérsias decorrentes de serviços prestados no Brasil.


 LEI 12965/14