segunda-feira, 28 de julho de 2014



Cingidos, pois, os rins com a fé e a observância das boas ações, guiados pelo Evangelho, trilhemos os seus caminhos para que mereçamos ver aquele que nos chamou para o seu reino.Se queremos habitar na tenda real do acampamento desse reino, é preciso correr pelo caminho das boas obras, de outra forma nunca se há de chegar lá.
Regra de São Bento - Prólogo

domingo, 27 de julho de 2014





“Maria é a escada celeste pela qual Deus desceu à terra e os homens sobem a Deus.”SÃO FULGÊNCIO

SALVE, SALVE, GENTE BOA, GENTE AMIGA!




Jesus é a  pérola, a mais preciosa, da nossa vida. Ao dizer de São Bento, nada deve se antepor ao amor de Cristo. Em primeiro lugar, Jesus Cristo. A indescritível beleza da vida, encontramo-la em Jesus Cristo. Ele é o nosso encanto, a beleza infinita. Nossa busca seja uma só: Jesus Cristo. Nossa oração, em primeiro lugar, seja um ato de escuta. Jesus Cristo, beleza tão antiga e tão nova.
Com São Bento, fulgurante de luz, "Bento, que duplamente o foi: por graça e de nome", digamos: "Não antepor nada ao amor de Cristo".

UM BOM DIA COM ALEGRIA. TUDO BEM, TUDO ZEN. NÃO COBRAR NADA DE NINGUÉM.

ZIGMUNT BAUMAN - PODEMOS MUDAR O MUNDO IMITANDO AS BORBOLETA.


“Podemos mudar o mundo imitando as borboletas”, sugere Zigmunt Bauman

Para construir uma verdadeira comunidade, não ignoremos os pequenos gestos. A globalização negativa não considera hábitos e necessidades locais. Abraça poderes como as finanças e o capital. Há um grande número de mulheres e homens corajosos que podem mudar a história. Ajudemo-los a bater as asas.
A opinião é de Zygmunt Bauman*,
em artigo publicado no jornal La Repubblica**, edição de 14-11-2011.
A tradução é de Moisés Sbardelotto.
Eis o texto:

Zygmunt Bauman


Em que mundo eu gostaria de viver? Na verdade, não posso dizer muito. Isso porque, em primeiro lugar, em 60 anos de empenho na sociologia, nunca fui bom em profetizar. Em segundo lugar, no fim de uma vida imperdoavelmente longa, a única definição de boa sociedade que eu encontrei diz que uma boa sociedade é tal se acredita não ser suficientemente boa. Portanto, prefiro me concentrar não tanto no mundo em que queremos viver, mas sim no mundo em que devemos viver, simplesmente porque não temos outros mundos para os quais escapar. Refiro-me a uma citação de Karl Marx, que afirmava que as pessoas fazem a sua própria história, mas não nas condições escolhidas por elas. Todas as vezes que eu a ouço, lembro-me também de uma historinha irlandesa que nos fala de um motorista, que para o seu carro e pergunta a um transeunte: “Desculpe-me, senhor, poderia me dizer por gentileza como posso chegar a Dublin a partir daqui?”. O transeunte para, coça a cabeça e depois de um tempo responde: “Bem, caro senhor, se eu tivesse que ir a Dublin não começaria daqui”. Este é o problema: infelizmente, estamos começando daqui e não temos nenhum outro lugar de onde partir.

Portanto, pretendo sublinhar como o mundo do qual partimos “voltados para Dublin”, seja lá o que Dublin queira dizer, está cheio de desafios e de tarefas urgentes, substancialmente improcrastináveis. Penso que, se o século XX foi a época em que as pessoas se perguntavam “o que” precisava ser feito, o século XXI será cada vez mais a era em que as pessoas farão a pergunta sobre “quem” fará o que deve ser feito.
Existe uma discrepância entre os objetivos e os meios à nossa disposição. Meios que foram criados pelos nossos antepassados, que deram vida ao Estado-nação e o dotaram e armaram de muitas instituições extremamente importantes, feitas à medida do Estado-nação. No que se refere ao Estado-nação, ele era verdadeiramente o ápice da ideia de autogoverno e de soberania, a ideia de estar em casa, e assim por diante. Acima de tudo, o Estado-nação era um meio confiável e impecável de ação coletiva, instrumento para alcançar os objetivos sociais coletivos.
Acreditava-se nisso para além da diferença entre “direita” e “esquerda”. O Estado-nação era capaz de implementar as ideias vencedoras. Por que era assim? Porque o Estado-nação era considerado, e em grande parte o foi por bastante tempo na história, a fazendo do poder e da política. O matrimônio entre poder e política é um casamento celebrado no céu, nenhum homem pode destruí-lo. Poder significa habilidade em fazer as coisas. Política significa habilidade em dirigir essa atividade de fazer as coisas, indicando quais coisas devem ser feitas.


Ora, o que está acontecendo hoje é a indubitável separação, uma perspectiva de divórcio, entre poder e política. Poder que evapora no ciberespaço e que se manifesta naquilo que eu chamo de “globalização negativa”. Negativa no sentido de que se aplica a todos os aspectos da vida social que têm uma coisa em comum: trata-se do enfraquecimento, a erosão, a não consideração dos hábitos locais, das necessidades locais. A “globalização negativa” abraça poderes como as finanças, o capital, o comércio, a informação, a criminalidade, o tráfico de drogas e de armas, o terrorismo etc. Ela não é seguida pela “globalização positiva”. Em nível global, não temos nada de remotamente semelhante à eficácia do instrumento do controle político sobre o poder, da expressão da vontade popular, isto é, da representação e da jurisdição, realidades que se desenvolveram e foram bloqueadas no nível do Estado-nação.
À luz dessa discrepância, todas as vezes em que ouço o conceito de “comunidade internacional”, eu choro e rio ao mesmo tempo. Nós ainda nem começamos a construí-la. Os nossos problemas são verdadeiramente globais, mas só possuímos os meios locais para enfrentá-los; e eles são despudoradamente inadequados para a tarefa. Por isso a pergunta que eu sugiro provavelmente é questão de vida ou de morte para o século XXI. Quem vai se ocupar disso? Essa será a questão.


Eu não tenho a resposta a essa pergunta, só posso propor algumas palavras de encorajamento. Edward Lorenz é bastante conhecido pela sua tremenda descoberta de que até os eventos mais pequenos, minúsculos e irrelevantes poderiam – dado o tempo, dada a distância – se desenvolver em catástrofes enormes e chocante. A descoberta de Lorenz é conhecida na alegoria de uma borboleta, em Pequim, que sacudia suas asas e mudava o percurso dos furacões no Golfo do México seis meses depois. Essa ideia foi recebida com horror, porque ia contra a natureza da nossa convicção de que podemos ter pleno conhecimento do que virá depois. Ele ia contra a teoria do tudo. De que podemos conhecer, prever, até mesmo criar, se necessário, com a nossa tecnologia, o mundo.
Lembro que nessa descoberta de Lorenz também há um vislumbre de esperança e é muito importante. Consideremos o que uma borboleta sabe fazer: uma grande quantidade de coisas. Não ignoremos os pequenos movimentos, os desenvolvimentos minoritários, locais e marginais. A nossa imaginação vai longe, além da nossa habilidade de fazer e arruinar coisas. Na nossa história humana, tivemos um número relevante de mulheres e de homens corajosos, que, como borboletas, mudaram a história de maneira radical e positiva. De verdade. O único conselho que posso dar, então: olhemos para as borboletas, são de várias cores, felizmente são muito numerosas. Ajudemo-las a bater as suas asas.
*Zygmunto Bauman, filósofo e sociólogo polonês, criador do conceito de “modernidade líquida”.



**Fonte: Instituto Humanitas Unisinus